A realização de transações bancárias em dispositivos móveis tem crescido de forma acelerada no Brasil. Relatório da consultoria Deloitte, realizado a pedido da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), identificou aumento de 138% no volume desse tipo de operação entre 2014 e 2015.

Como reflexo, há um crescimento no número de ataques virtuais voltados a esse tipo de transação no país, o que exige cuidado redobrado dos internautas, alerta a Eset, fornecedora de soluções de segurança da informação.

Abaixo, os especialistas da Eset reforçam as principais dicas para evitar cair em golpes virtuais na hora de realizar transações por dispositivos móveis:

1Utilize equipamento confiável

Quando precisar acessar o banco por um dispositivo móvel, utilize apenas equipamentos próprios e que sejam confiáveis. Isso facilita a detecção de códigos maliciosos, caso o equipamento apresente qualquer atividade suspeita.

2Cuidado com redes Wi-Fi públicas

Nem todas as redes contam com proteção de segurança, em especial, redes Wi-Fi públicas. Dessa forma, a sugestão é nunca usar redes abertas para a realização de pagamentos ou transações on-line. Caso não haja outra opção, a recomendação é optar por uma rede privada virtual (VPN) para que os dados sejam criptografados e nenhum cibercriminoso consiga acessá-los.

3Cuidados na atualização

Vulnerabilidades geradas pela falta de atualizações do sistema operacional e de aplicativos são uma porta de entrada para os cibercriminosos, que se aproveitam dessa brecha para conseguir infectar os equipamentos. Atualmente, existem muitos programas que ajudam na atualização de forma automática e segura.

4Solução de segurança proativa

Antes de realizar qualquer pagamento pela internet, é muito importante usar uma solução de segurança proativa no dispositivo móvel. Ela vai garantir a detecção de muitos códigos maliciosos e o acesso a sites suspeitos, que visam roubar credenciais bancárias.

5Crie uma senha segura

Usar senha segura é uma das regras mais importantes para garantir a segurança de sua conta. Nunca use a mesma senha para várias contas, incluindo banco, redes sociais, e-mails etc, já que isso pode facilitar a atuação dos cibercriminosos, que podem roubar todos os dados do usuário de uma só vez. Uma sugestão é usar aplicativos de gestão de senha, que armazenam as combinações de todas as contas, bastando que o usuário se lembre apenas de uma para acessar o app.

6Use autenticação de dois fatores

Verifique se a instituição financeira permite o uso de um segundo fator de autenticação (2FA) para proteger a conta, com um Token. É um método que permite ao banco verificar se o acesso a conta foi feito realmente pelo titular e por qual dispositivo.

7Não se deixe enganar

Para enganar os usuários, os cibercriminosos usam diversos artifícios, como enviar e-mails com links falsos ou mensagens de SMS. Dessa forma, é importante lembrar que, ao receber qualquer mensagem do banco solicitando as credenciais bancárias, verifique diretamente com a instituição por telefone.

8Use o botão “Desconectar”

Ao terminar de realizar qualquer operação bancária, cheque se encerrou corretamente a sessão, clicando no botão desconectar.

9Ative as notificações por mensagem de texto

Uma boa opção de monitoramento é ativar o recebimento de notificações de texto no smartphone, a fim de receber as informações atualizadas sobre as últimas transações e atividades realizadas na conta.

Compartilhar